Top cappuccino: 20 discos internacionais de 2016

Eu sempre vou acreditar que a língua não é uma barreira para quem precisa alcançar o seu conforto. Obrigado 2016!

#20 Wide Awake – Parachute

parachute
Parachute é um banda da década de 2000 que ainda vale a pena ouvir. Wide Awake é fruto do amadurecimento da banda, que aposta em letras e melodias sofisticadas.

#19 Oh My My – One Republic

onerepublic
Oh My My é um dos melhores registros da música pop. Um pop para dançar, se envolver, cantar, amar de uma forma menos dolorida.

#18 Strange Little Birds – Garbage

garbage
Strange Little Birds é um disco potente, a começar pela viciante “Sometimes”.

#17 Hopelessness – Anohni

anohni
Apostando em nova sonoridade, a cantora Anohni fez um disco memorável. Sem perder a pegada da era Antony and the Johnsons, o disco tem uma face interessante que vai de Lorde a Elliott Smith.

#16Paperweights – Roo Panes

roo-panes
Paperweights teve a árdua tarefa de suceder o potente “Little Giant”. Com certa margem de sucesso, Roo Panes conseguiu fazer um disco bom, mas emocionalmente menos carregado que o disco anterior.

#15 My Woman – Angel Olsen

angel
Com uma sonoridade às vezes intimista, às vezes pop-rock, My Woman é um disco que merece toda nossa atenção.

#14 Illuminate – Shawn Mendes

shawn
“Illuminate” aborda turbulências emocionais de uma forma quase que teórica. Shawn Mendes conseguiu fazer um disco no mínimo convincente. Aliás, já disse aqui, no meu post de melhores músicas internacionais do ano, que o cantor conseguiu nos provar que pode ser muito mais que um sexy cantor teen.

#13 Wrong Crowd – Tom Odell

tom
Transitando por um caminho mais comercial, Wrong Crowd mostra a versatilidade do cantor Tom Odell em fugir do folk triste para apostar no indie pop. Deu certo, só não posso dizer que tenha ficado melhor do que o aclamado Long Way Down.

#12 Schmilco – Wilco

wilco
Não poderia fechar a minha lista sem dizer para vocês escutarem Wilco. Schmilco é um disco que vale a pena escutar da primeira à última faixa.

#11 Young as the Morning Old as the Sea – Passenger

passenger
Passenger conseguiu fazer um ótimo sucessor para o brilhante Whispers II.

#10 This Is Acting – Sia

sia
This is Acting é assinado pela bem sucedida cantora e compositora Sia. Não dá pra falar muito sobre esse disco, o negócio é parar para ouvir e se arrepiar por completo em cada faixa.

#09 Red Earth & Pouring Rain – Bear’s Den

bears
Red Earth & Pouring Rain é um disco visceral e eu sei que eu deveria dizer algo menos previsível e menos repetível. Porém, essa é a palavra adequada.

#08 The Colour In Anything – James Blake

james-blake
The Colour in Anything é um disco intimista, mas não a ponto de ser um disco caótico. James Blake sabe até onde ir e ele foi muito bem nesse disco.

#07 Tell Me It’s Real – Seafret

seafret
Seafret é uma das grandes revelações de 2016. Tell Me it’s Real é um álbum para se apaixonar diariamente.

#06 Walls – Kings Of Leon

kings
Os meninos da banda Kings Of Leon fizeram um puta disco de rock. Wall é um disco que merece ser admirado sem limites.

#05 Back From The Edge – James Arthur

james
Um disco que flutua entre o pop, rock, folk. Back From The Edge é um disco bom, que representará muito bem o que de melhor tivemos em 2016.

#04 Blonde – Frank Ocean

frank
O segundo disco do cantor Frank Ocean não decepcionou os fãs. Blonde é marcante, seduz e te envolve fácil.

#03 A Moon Shaped Pool – Radiohead

radiohead
A Moon Shapped Pool é um disco coerente com a trajetória do grupo Radiohead. Um disco para você entender sobre o amor e outros temas com quem tem uma puta história registrada em discos.

#02 Blackstar – David Bowie

david
Por muito tempo, ao longo de 2016, eu encarei Blackstar como um disco problemático. Eu estava terrivelmente enganado. Blackstar é um disco complexo. Um disco sobre as veias humanas que escapam dos sentidos da grande média de pessoas. Bowie não fez um dos melhores discos do ano, Blackstar é histórico, disco da década.

#01 Encore Un Soir – Céline Dion

celine
Encore Un Soir é totalmente em francês. Mas, eu sempre vou acreditar que a língua não é uma barreira para quem precisa alcançar o seu conforto. Encore Un Soir veio para isso. Um disco para te confortar sem te cegar. Um disco inteligente e valente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s